30 de julho de 2014

A Menina Que Não Sabia Ler - John Harding

Autor(a): John Harding  | Gênero: Suspense | Ano: 2010 | Páginas: 288| Editora: Leya


Sinopse: "1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e escura mansão, onde nada é o que parece, a pequena Florence é negligenciada pelo seu tutor e tio. Guardada como um brinquedo, a menina passa seus dias perambulando pelos corredores e inventando histórias que conta a si mesma, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que um dia Florence encontra a biblioteca proibida da mansão. E passa a devorar os livros em segredo. Mas existem mistérios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Quem eram seus pais? Por que Florence sonha sempre com uma misteriosa mulher ameaçando Giles, seu irmão caçula? O que esconde a Srta. Taylor? E por que o tio a proibiu de ler? Florence precisa reunir todas as pistas possíveis e encontrar respostas que ajudem a defender seu irmão e preservar sua paixão secreta pelos livros - únicos companheiros e confidentes - antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário. Ou será que tudo isso não seria somente delírios de uma jovem com muita imaginação?"

"A Menina Que Não Sabia Ler" é daqueles livros que você devora sem perceber e o termina em algumas horas. Quando percebi, já havia devorado muitas páginas e sabia que não conseguiria tirar meus olhos do livro até descobrir cada segredo daquela casa.

O título original do livro é "Florence and Giles" e confesso que a editora deveria ter mantido o título original que, durante a história, faz muito mais sentido do que o título adotado aqui no Brasil, já que a história não se mantém, somente, na menina que não sabia ler.


Florence é uma órfã de onze anos que mora numa casa que seu tio, que a proibiu de aprender a ler e a escrever, mantém para ela e para o seu meio irmão Giles, três anos mais novo que ela. Aos poucos, o livro nos apresenta o pequeno mundo quase perfeito de Florence e suas intrigantes aventuras através do mundo da leitura. A atmosfera melancólica e antiga foi o que mais me chamou atenção no livro. Gosto de histórias que se passam em outras épocas que não havia iluminação ou confortos do mundo atual e que uma pequena fagulha de imaginação servia para criar um mundo novo.

E é assim que "A Menina Que Não Sabia Ler" nos leva pelo mundo de Florence que é cheia das artimanhas para esconder suas aventuras literárias e não mede esforços para proteger seu irmãozinho, mas seu mundo quase desaba quando Giles é enviado para a escola e ela tem que ser forte para suprir a falta que ele faz. Então, Florence passa seus dias imersa nos livros tentando criar, na biblioteca e fora dela, um mundo particular. O que Florence não esperava, era a visita dos novos vizinhos que tinham um filho doente chamado Theo e que Florence o odeia assim que lê seu primeiro "poema", mas com o decorrer do livro, acabam tornando-se grandes amigos.

"Durante toda a nossa vida, Giles e eu nunca tínhamos nos separado; era como se eu tivesse ficado sem uma parte de mim. Eu compreendia suas falhas e o amava por elas."

Aos poucos, a história de "A Menina Que Não Sabia Ler" perde seu ponto principal sobre a menina que realmente não sabia ler, mas que se esforça para aprender e proteger seu irmão das maldades que sofre na escola para a qual foi mandado e se perde na narrativa de uma nova história que, para mim, parece sem pé nem cabeça e faz com que o livro maravilhoso perca bastante do que eu achava que era sua essência.

Acho que o autor poderia ter focado mais na vida de Florence e seu irmãozinho Giles durante o livro todo, na negligência que sofriam por parte do tio, o mistérios que envolvia a trágica morte de seus pais e porque a foto da mãe de Giles não tinha rosto. A inserção das Srta. Whitaker. e Srta. Taylor é totalmente dispensável para mim.

Giles precisava de uma tutora? Sim.
Eles precisavam de educação? Sim.
Srta. Whitaker. e Srta. Taylor poderiam nunca ter aparecido? Com toda a certeza.

Apesar disso, confesso que fiquei angustiada com os acontecimentos da história durante a permanêcia da Srta. Taylor em Blithe House. A sensação de que algo muito ruim aconteceria com Giles me fazia devorar as páginas atrás de uma explicação para tudo o que Florence via ou achava que via. A história da Srta. Taylor e tudo o que ela causa da Florence e Giles não tirou a magia do livro.

"Olhei pela beirada do poço. Não havia nada além da escuridão, um grande buraco que podia ir até o centro da Terra, até onde eu sabia. Meu corpo todo, o tronco, até os dedos dos pés, estava tremendo com o triunfo e também de medo."

Sim, me apeguei mais ao personagem secundário do que à própria Florence. Giles parece um daqueles garotinhos inocentes e ingênuos que precisam de proteção a toda hora, o que me lembra um personagem de um dos meus contos que é mais ou menos assim (Jojo <3) e eu sou bem apegada, por diversos motivos, apesar de ele não existir de verdade.

O autor consegue nos prender a maior parte do livro com uma história linda, com descrições quase tão perfeitas que conseguimos imaginar com detalhes cada canto da biblioteca habitada por Florence, cada esconderijo que ela consegue e, mesmo assim, o autor não nos cansa com detalhes demais.

O único ponto negativo, para mim é claro, foi o autor introduzir uma segunda história sobre a primeira e perder, completamente, o foco sobre Blithe House, seus habitantes, rotinas, Giles e Florian com seus segredos de leitura. Fora isso, o livro me deixou intrigada até a ultima letra (talvez por eu ter envolvimento pessoal com Giles), até eu saber se Florence conseguiria proteger seu pequeno irmão ingênuo ou não e o final era mais ou menos como eu imaginava, com algumas pitadas de absurdo, perguntas sem respostas e ansiedade gerada nas ultimas páginas.

"Entrei pela porta de trás quando os criados entravam pela frente. Pude ouvi-los tagarelando alegremente. Virei no corredor para a escada do fundo quando Meg e Mary surgiram no corredor abaixo. Quando viessem verificar por que não havíamos descido para tomar café, eu estaria dormindo tranquilamente em minha cama."

É uma leitura gostosa e intrigante, seria maravilhoso se o final não fosse um tanto quanto desastroso, deixando várias perguntas sem resposta pensando que o leitor não se apegaria aos detalhes.

O livro já tem continuação: "A Menina Que Não Sabia Ler Vol.02" e, aparentemente, tapa os buracos deixados pelo primeiro livro. Não vejo a hora de ler!


Por Giles 

Comente com: ou

0 comentários:

Postar um comentário

 
© LuMartinho | 2015 | Todos os Direitos Reservados | Criado por: Luciana Martinho | Tecnologia Blogger. imagem-logo