9 de novembro de 2016

Novembro, 9 - Colleen Hoover


Autor(a): Colleen Hoover | Gênero: Romance | Ano: 2016 | Páginas: 352 | Editora: Galera Record| Skoob

Sinopse: Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável.
Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?

Narrado em primeira pessoa e pelo ponto de vista dos dois personagens principais, "Novembro, 9" nos conta a história de Fallon, uma garota que teve a vida mudada após um acidente terrível e Ben, um aspirante a escritor. O envolvimento entre os dois é instântaneo, mas Fallon está se mudando para Nova York naquele dia, então os dois prometem se encontrar todo o ano no mesmo dia e é a partir deste primeiro 09 de Novembro que a vida de Ben e Fallon começam a ser mudadas para sempre.

Até hoje, nenhum dos livros que li da Colleen me agradaram. Tanto a história quanto a escrita me pareciam meio forçados ou sem nexo ou até os personagens não me agradavam por ser infantis demais. Isso até hoje.


Comecei a ler "Novembro, 9" por curiosidade mesmo, mas quando vi, estava devorando folhas e mais folhas, interessadíssima nos personagens e no enredo que, ao meu ver, estava começando a ficar incrível. A ideia que a autora teve dos personagens se encontrarem todo dia 09 de Novembro de cada ano e de um deles ser escritor é muito gostosa de acompanhar.

Colleen cria personagens que nos ganham com poucas páginas. Ben é um bom garoto, fofo, inteligente e escritor. Apesar dele ser um garoto MUITO romântico e essa coisa toda de agradar a pessoa que ele ama do jeito que ele agrada não colar muito para mim, gostei do personagens e da perspicácia que a autora colocou nele.
"Droga, ele é adorável. Suas palavras me fazem sentir toda morna e distorcida, e..."
Já Fallon é uma garota com muitas cicatrizes internas (sem trocadilhos). Ela precisa de carinho e atenção e é possível ver sua evolução durante a história, apesar de eu achar que, por muitas vezes, ela não foi tão inteligente quanto ela demonstrava mostrava ser em outros momento. Na verdade, Fallon tinha atitudes, muitas vezes, bem infantis.

O livro só não ganhou mais estrelas porque não gostei de como as coisas se resolvem no final do livro. Há, quase no fim, uma revelação marcante e chocante que pode mudar a vida e o amor dos personagens para sempre, mas o desfecho que a autora deu para os personagens e sua história não me agradou tanto quanto eu imaginei que agradaria.
"Pela primeira vez, eu percebo que não me importo com os cinco anos. Eu não me importo que não tenho vinte e três. Tudo o que me importa é Ben e como me sinto quanto estou com ele, e como eu quero muito mais do presente."
Tive a impressão de que a autora precisava correr com o final do livro, que já estava com páginas demais e então ela precisava encerrar de alguma maneira, então deu um final muito pobre para os personagens e toda a história que tinham . Foi um desfecho tão simples, tão conto de fadas que fez o livro perder aquele encanto que tinha criado em mim. O final poderia ter sido de mil maneiras diferentes, mil jeitos, mas o cliché matou meu amor pela história.

Apesar de um final bem abaixo do esperado, "Novembro, 9" é um livro cheio de personagens incríveis e não digo isso apenas de Ben e Fallon. Todos os personagens secundários tem sua importância e foram bem escritos e pensados. Nenhum deles está ali somente por estar.

Dou mais de setenta porcento para o livro somente por seu enredo, pela ideia mirabolante da autora em criar um livro dentro do livro que, inclusive, os próprios personagens criticam como os romances são escritos. Enfim, um livro com uma bela ideia, bem desenvolvido, mas com um final não tão satisfatório assim.
"Eu choro por tanto tempo que os músculos do meu estômago começa a doer. Meu queixo dói de tensão. Meus ouvidos são feridos pelo clamor das sirenes enquanto elas passam."
Se você ama contos de fadas e finais que você sabe que NUNCA aconteceriam na vida real, "Novembro, 9" é um livro para você. Agora, se você não gosta de nada disso, mas adora bons enredos com reviravoltas, "Novembro, 9" também é um livro para você.

_ _ _ _ 

Colleen Hoover nasceu 11 de dezembro de 1979, em Sulphur Springs, Texas. Ela cresceu em Saltillo, Texas, e formou-se a partir de Saltillo High School, em 1998. Em 2000, ela se casou com Heath Hoover, com quem ela já tem três filhos e um porco chamado Sailor. Hoover formou na Texas a & M-Commerce com uma licenciatura em Serviço Social. Ela trabalhou vários trabalhos de ação social e de ensino, até que ela começou sua carreira como escritora.
Em novembro de 2011, Colleen começou a escrever seu primeiro romance, sem nenhuma intenção de ser publicado. Ela foi inspirada por um poema lírico, "decidir o que ser e ir ser isso", a partir de uma canção Avett Brothers "Cabeça cheia de dúvidas / estrada cheia de promessas". Devido a isso, ela incorporou letras Avett Brothers em toda a história. Depois de alguns meses, seu romance foi revisado e dado 5 estrelas por grande blogger de livros, Maryse Preto. Com isso, as vendas aumentaram rapidamente, e por insistência dos fãs, teve sua sequela, Pointo de Retreat, ambos na lista New York Times Best Seller.

Outras Obras:
Nunca Jamais | Talvez Um Dia | O Lado Feio Do Amor
Comente com: ou

0 comentários:

Postar um comentário

 
© LuMartinho | 2015 | Todos os Direitos Reservados | Criado por: Luciana Martinho | Tecnologia Blogger. imagem-logo